segunda-feira, 10 de março de 2014

ABSURDO!!! Governo de SP ameaça abrir sindicâncias contra grevistas, segundo o site Terra.


COMEÇOU A TRUCULÊNCIA...
ONDE ESTÁ A DEMOCRACIA?!?!

É complicado... pois tudo que foi "conquistado" como porte de arma, ou até mesmo para se inscrever em uma LPT não pode estar respondendo sindicância, os sindicatos dizem que conquistam algumas "perfumarias" mas vem amarradas com uns absurdos desses... 
Por isso, vamos aguardar a reunião de amanhã, se não houver êxito para a categoria, tem que parar todas unidades... e se algum sindicato não somar ao movimento grevista, faremos campanha de desfiliação em massa desses sindicatos.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/brasil/policia/greve-de-agentes-penitenciarios-atinge-80-presidios-de-sao-paulo,abc86684d6da4410VgnVCM5000009ccceb0aRCRD.html
Greve de agentes penitenciários atinge 80 presídios de São Paulo

A paralisação deve continuar amanhã, mesmo com reunião com o governo marcada para as 10h

De acordo com o sindicato, ao ficar sabendo da greve, o governo do Estado enviou um comunicado, assinado pelo secretário de Administração Penitenciária, Lourival Gomes, informando que serão abertas sindicâncias disciplinares contra os servidores grevistas Foto: Reprodução De acordo com o sindicato, ao ficar sabendo da greve, o governo do Estado enviou um comunicado, assinado pelo secretário de Administração Penitenciária, Lourival Gomes, informando que serão abertas sindicâncias disciplinares contra os servidores grevistas Foto: Reprodução

Chico Siqueira Direto de Araçatuba.





A greve dos agentes penitenciários de São Paulo atingiu 80 das 158 unidades do Estado nesta segunda-feira, primeiro dia de paralisação, informou o Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado de São Paulo (Sindasp). Segundo a entidade, já são 16 mil servidores em greve. A paralisação deve continuar amanhã, mesmo com reunião com o governo marcada para as 10h.



De acordo com o sindicato, ao ficar sabendo da greve, o governo do Estado enviou um comunicado, assinado pelo secretário de Administração Penitenciária, Lourival Gomes, informando que serão abertas sindicâncias disciplinares contra os servidores grevistas. “O comunicado ajudou a aumentar a adesão ao movimento. Começamos com 20 unidades, mas com a divulgação desse comunicado, o número de unidades aumento e agora já somos 80”, disse o presidente do Sindasp, Daniel Grandolfo.

Segundo ele, os agentes ficaram revoltados com o tom imperativo dado pelo secretário na carta, enviada aos coordenadores regionais de presídio. “Parece que nem estamos na democracia”, afirmou.



A assessoria da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) disse que não tem conhecimento do comunicado. Segundo a secretaria, a posição oficial do governo é que os presidentes de sindicatos sabiam desde quinta-feira da realização da reunião de amanhã, que discutirá a pauta da categoria.



“Nosso primeiro item amanhã será pedir o cancelamento dessa medida punitiva”, afirmou Grandolfo. Apesar de existir três sindicatos, o Sindasp é o mais forte e o que reúne o maior número de agentes penitenciários, por isso, segundo o presidente, a expectativa é de que o movimento cresça ainda mais durante esta segunda-feira.



A paralisação já surtiu os primeiros efeitos. Os presídios amanheceram com faixas fixadas nos portões de entrada alertando sobre a greve. Em unidades da região noroeste, como no Centro de Progressão Penitenciária (CPP) de São José do Rio Preto, vans que chegaram para buscar presos para trabalhar tiveram de retornar vazias. No complexo penal de Mirandópolis, advogados não puderam visitar seus clientes.



Além desses serviços, também está cortada a entrega de encomendas dos correios aos presos e suspensas as remoções de presos e os atendimentos com psicólogos e assistentes sociais. Apenas três serviços essenciais, de alimentação, saúde e banho de sol aos presos, serão mantidos, segundo o sindicato.



O movimento grevista é em protesto contra a superlotação de detentos e falta de funcionários - as unidades prisionais, segundo o próprio site da SAP, estão com superlotação três vezes superior à capacidade e, segundo sindicato, há déficit de 10 mil agentes. Na semana passada, agentes da penitenciária de Martinópolis fizeram abaixo-assinado pedindo para que a direção não aceitasse mais presos porque a superlotação estava inviabilizando o trabalho deles. O pedido não foi aceito.



Os agentes também cobram o cumprimento, pelo governo, da pauta de reivindicações da categoria, que prevê, entre outras coisas, correção salarial de 20,64%, referente à inflação do período entre 2007 e 2012, legalização e pagamento do serviço de bico, redução do número de carreiras e pagamento de auxílio-refeição para todos agentes, entre outras reivindicações.



Veja o que funciona e o que não funciona durante a greve:



NÃO FUNCIONA FUNCIONA
Fórum e Júri PS para atendimento de Saúde
Atendimento a advogados, oficiais de Justiça,
assistentes sociais, psicólogos, oitivas. Alvará de soltura
Transferências (bonde/linhão) Velório (somente até a inclusão)
Jumbo Cozinha e padaria
Sedex Cartas
Esporte (detentos que organizam torneios) Sedex somente para unidades femininas
Escola Alimentação de animais (somente o essencial)
Todo tipo de trabalho de pavilhão e empresas Esgoto, usina de tratamento
Rol de visitas Procedimento disciplinar (transferências: RDD, castigo, cela disciplinar)
Pecúlio Revistas, blitz (desde que sob suspeita. Blitz geral não)
Manutenção (somente emergências) Banho de sol
Recebimento de presos de cadeias públicas
Recebimento de plantões policiais (inclusões automáticas)

15 comentários:

  1. o Pessoal, não podemos recuar, se nos unirmos nós conseguiremo iso e muito mais, a revolta também une. nossa revolta e cobntra esses ditadores disfarçados de democráticos.

    ResponderExcluir
  2. O governo sabe da força que os agentes penitenciários, se quiserem podem ter! Pessoal, é só obedecer a Lei, pois a greve é um direito constitucional, se ameaçam é porque sabem da força da categoria, não se amedrontem e se houver abusos por parte do governo, tem que denunciar ao poder judiciário

    ResponderExcluir
  3. Abrir sindicância por causa de greve é um retrocesso tão grande que me parece que vão voltar a ditadura. CARA COMO PODE UM SENHOR COMO ESTE SER NOSSO GOVERNADOR???

    Um político que não sabe respeitar um DIREITO FUNDAMENTAL, não poderia ser representante de um povo.


    E LAMENTÁVEL AO OUTRO SINDICATO QUE NÃO ADERIU A GREVE, olha que simpatizava com ele, mesmo não sendo filiado, mas realmente estou com vergonha por seus filiados agentes, que realmente devem estar se sentindo totalmente desrespeitados.

    ResponderExcluir
  4. depois desse comunicado ai que a greve explodiu, pressão jamais!!!!1

    ResponderExcluir
  5. COMO PODE TER ASPs QUE AINDA CONTRIBUI FINANCEIRAMENTE PARA O SIFUSPESP, SINDICATO QUE SÓ FAZ O QUE O GOVERNO MANDA ALI SÓ TEM LIXO.

    ResponderExcluir
  6. Uma grande maioria de ASPs só reclamam acomodados, eu acordei cedo e fui pra frente da Cadeia fazer a minha parte e amanhã estou de folga e vou de novo chega de sermos humilhados tirados esquecidos... GREVE GREVE JÁ

    ResponderExcluir
  7. Covarde esse Lourival Gomes, sempre querendo ser simpático a nossa causa, e agora mandando sentar a caneta nos funcionários. Temos q parar tudo mesmo, sem nenhuma condição de trabalho e ainda ser oprimido, basta. Greve geral.

    ResponderExcluir
  8. JA PASSAOU DA HORA DOS SINDICADOS PARAREM COM ESSAS BRIGUINHAS PARA VEREM QUEM É MAIS FORTE OU QUEM TEM MAIS ASSOCIADOS, ELES ESTÃO ESQUECENDO DE QUEM SUSTENTA ELES SOMOS NOS AGENTES PENITENCIARIOS E TODOS TEM QUE ESTAREM UNIDOS PARA QUE POSSAMOS CONSEGUIR ALGUMA COISA, EXISTE UNIDADES QUE ATE AGORA NÃO RECEBERAM A PRESENÇA DE NENHUM SINDICATO PARA APOIAREM OS GUARDAS PARA MAIS ESTA LUTA CONTRA ESSA TIRANIA DE DIRETORES QUE SIMPLESMENTE ESTÃO AMEAÇANDO NOSSOS COLEGAS DE TRABALHO COM PUNIÇÕES EM UM DIREITO CONSTITUCIONAL DO POVO BRASILEIRO. VAMOS UNIR AS FORÇAS SINDICATOS E DEFENDEREM REALMENTE QUEM VCS REPRESENTAM.

    ResponderExcluir
  9. PODE AMEAÇAR...TO AMPARADO PELO MEU DIREITO DE GREVE..TENHO MEU DIREITO DE DEFESA..SE NÃO CHEGAR NADA HOJE, AMANHÃ CONTINUA..

    ResponderExcluir
  10. Não entendo. De acordo com a nossa constituição temos direito a greve. Estou certo ou errado Jenis de andrade?????

    ResponderExcluir
  11. A proposta do Governo feita na reunião de hoje foi medíocre, mas infelizmente tenho certeza que a categoria vai aceitar mais essa esmola.

    A chamada diária especial por jornada extraordinária penitenciária no valor de R161,12 ao dia, em caso de convocações será mais uma das "aberrações" da SAP, será a maior patifaria, quero ver como funcionará isso, quem serão os beneficiados e qual será o critério.

    Na minha Unidade não tem convocações gerais para blitz geral. Apenas convocações individuais para acertar a vida (ponto) de um ou outro funcionário.

    ResponderExcluir
  12. E NÓS OFICIAIS OPERACIONAIS MOTORISTA QUE ESTAMOS SEMPRE NA LINHA DE FRENTE E EM CONTATO DIRETO COM PRESOS TRANSPORTADOS. NUMA TENTATIVA DE RESGATE AO TRANSPORTARMOS UM PRESO SOMOS OS PRIMEIROS A SEREM ABATIDOS PELOS CRIMINOSOS PARA INTERCEPTAR O BONDE. E NÃO FAZEMOS PARTE DO QUADRO DE SERVIDORES DA SAP, NÃO SOMOS RECONHECIDOS E NÃO TEMOS DIREITO A NADA E NEM COLETE PARA NOS PROTEGER TEMOS. E O PIOR É QUE NÃO TEMOS NINGUÉM QUE NOS DEFENDE, NENHUM SINDICATO NOS DEFENDEM, ALIÁS ELES FINGEM QUE NEM NOS CONHECEM. QUE PENA, PODERIAMOS UNIR FORÇAS E SERMOS MAIS UNIDOS!

    ResponderExcluir
  13. O direito de greve é garantido pela Constituição Federal do Brasil, através do seu artigo 9º, sendo um direito social de todo e qualquer trabalhador, cabendo aos próprios trabalhadores exercerem a oportunidade desse direito, bem como definirem os interesses que serão defendidos pela greve. É obrigação de a lei definir quais serão os serviços essenciais e dispor sobre o atendimento das necessidades inadiáveis da sociedade.
    Assim, a greve é uma garantia constitucional do servidor público civil, devendo ser exercida em sua plenitude, sem punições ou restrições quando exercida dentro da legalidade, sendo necessário que haja coerência e boa-fé nas negociações, preservando sempre o princípio da dignidade da pessoa humana em relação aos vencimentos e respectivos aumentos remuneratórios, de forma a capacitar o servidor a sustentar sua família, e ter boas condições de saúde, educação e lazer, acompanhando-se a inflação e, consequentemente, viabilizando sua participação ativa no mercado de consumo, levando-se em conta ainda a enorme carga tributária brasileira que consome, e muito, os rendimentos de qualquer cidadão.
    Caso se tratem de serviços essenciais, um mínimo de 30% do contingente deverá trabalhar na forma de rodízio, para evitar prejuízos maiores, quer ao Estado, quer à população. Já para o empregado público, a greve terá efeitos imediatos, dentre eles a não percepção de seu salário.
    Nessa linha, haverá uma grande desigualdade de forças caso o salário do empregado seja cortado durante a greve, eis que o Estado tem mecanismos de sobrevivência durante o movimento (o Estado, ao contrário de uma empresa, não quebra), podendo, inclusive, postergar uma negociação até o ponto dos empregados públicos em greve não poderem mais manter o movimento grevista, em razão da perda de seus rendimentos e, consequentemente, de seu sustento.
    Oportuno registrar que muitas das pessoas que hoje abominam a greve não se recordam que as garantias jurídicas de natureza social que possuem aposentadoria, auxílio-doença, licenças, férias, limitação da jornada de trabalho etc. etc. etc., além de direitos políticos como o voto e a representação democrática das instituições públicas advieram da organização e da reivindicação dos movimentos operários.
    Vale acrescentar que no que se refere aos servidores públicos, ao qual a Constituição brasileira assegurou o direito de greve, por tradição histórica, o não desconto de salários em caso de greve se incorporou ao patrimônio jurídico dos servidores. Qualquer alteração neste sentido, portanto, além de ilegal, conforme acima demonstrado, representa um grave desrespeito aos princípios do não retrocesso social e da condição mais benéfica, até porque as experiências democráticas no sentido da construção da cidadania devem evoluir e retroceder.não
    FONTE:
    http://www.webartigos.com/articles/3031/1/O-Direito-De-Greve-Do-Servidor-Público/pagina1.html#ixzz1KegtYWaI
    Fonte/Autor: webartigos.com

    ResponderExcluir
  14. FAZER GREVE NÃO SE CONFUNDE ANARQUIA. FAZER GREVE É CRUZAR OS BRAÇOS, NÃO IMPEDIR PESSOAS DE ADENTRAREM AO ENTE PÚBLICO.

    ResponderExcluir
  15. MESMO COM VISITA DO CNJ EM GUARULHOS HOUVE ADESÃO, NO MARREY FOI GREVE TOTAL DIA 11

    ResponderExcluir



Seu comentário é bem vindo, porém não será postado caso o moderador entenda que existam ofensas ou que não se aplique ao assunto da postagem.

Identificando-se, sua crítica, favorável ou contrária, terá mais credibilidade e respeitabilidade junto aos leitores.

Comente a postagem, para perguntas ou bate papo com o autor do BLOG,
jenisdeandrade@yahoo.com.br,
Jenis de Andrade no Facebook.