terça-feira, 3 de junho de 2014

Lenço é símbolo da luta de Agente Penitenciária contra câncer de mama, diz Globo.



Veja também entrevista da Olga na Record, no link: http://jenisandrade.blogspot.com.br/2014/06/olga-zacari-e-entrevistada-pela-record.html


Fonte da matéria abaixo: G1
03/06/2014 08h00- Atualizado em 03/06/2014 08h00

Lenço é símbolo da luta de agente penitenciário contra câncer de mama

Olga Zácari ganhou apoio contra a doença dentro e fora das prisões.
Campanha visa destinar lenços doados para Hospital Amaral Carvalho.

Ana Carolina LevoratoDo G1 Bauru e Marília

Olga é agente penitenciário (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Olga é agente penitenciário há sete anos na unidade de Pirajui (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)





Os fios louros platinados que antes ocupavam a cabeça da agente penitenciário Olga Zácari hoje estão substituídos pelos pontos mais grossos de tecido de um lenço. Vítima de um câncer de mama, a moradora de Pirajuí (SP) se tornou exemplo de como encarar a doença de frente. Através da internet, ela conseguiu mobilizar mulheres e homens a adotar o acessório como uma rede de solidariedade e forma de alerta na cidade inteira e dentro da unidade prisional.
Olga ganhou apoio nas redes sociais  (Foto: Arquivo Pessoal)Olga ganhou apoio nas redes sociais e recebeu
milhares de fotos (Foto: Arquivo Pessoal)
A descoberta de um câncer de mama provoca uma reviravolta na vida da mulher e com Olga não foi diferente. Com 30 anos completados no último domingo (1), a agente penitenciário descobriu um nódulo na mama esquerda em janeiro deste ano. “Eu senti uma coisa que parecia um caroço no meu seio. Fui ao médico e recebi o diagnóstico de câncer em março. Fiquei apavorada porque não tinha casos na família e pensei que fosse morrer em 10 minutos. Além disso, fui orientada a começar a quimioterapia o mais rápido possível. Até agora já fiz três sessões das mais agressivas”, conta em entrevista ao G1.
Os cabelos louros, compridos e muito bem cuidados começaram a cair 15 dias após o início do tratamento. Vaidosa, Olga conta que foi difícil raspar a cabeça, mas que agora os fios na cabeça têm outro valor. “Foi difícil raspar. O impacto é tão grande que você não consegue pensar em outra coisa. Me achei feia e achei que não ia mais sair de casa. Foi a própria cabeleireira que me ensinou a colocar o lenço que eu não sabia nem como segurava”, lembra.
No entanto, Olga contrariou o próprio pensamento e não “se fechou no câncer”, como ela mesma diz. Na internet, as buscas que eram antes voltadas a descobrir os melhores shampoos e condicionadores foram substituídas pela pesquisa dos melhores nós e lenços mais bonitos. “Eu encontrei muitas dicas de tipos de tecidos mais confortáveis e como fazer os nós mais bonitos. Acho que já tenho umas 40 peças de todas as formas e tamanho”, diz.
Penitenciária (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Os 115 funcionários das pentenciárias entraram na campanha (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
Boas-vindas dentro e fora das prisões
A união para usar o lenço em solidariedade à agente penitenciário que tomou conta das redes sociais começou depois que Olga se afastou da função de carcereira na unidade prisional feminina e foi encaminhada para a função administrativa da unidade. “Eles acharam melhor que eu ficasse dentro de uma sala e não tivesse tanto contato com as reeducandas. Até o dia de voltar da licença eu já tinha me acostumado com o lenço e lembro que fiz um nó bem bonito para combinar com o uniforme”, lembra.
No entanto, o que ela não imaginava é que as colegas de trabalho tinham se organizado para fazer uma recepção de boas-vindas das mais calorosas. Segundo a diretora da unidade, os 115 funcionários mudaram a rotina e receberam Olga com lenços coloridos na cabeça. “Os homens e as mulheres se organizaram para que ela fosse recepcionada da forma mais amorosa possível. Além disso, criamos a campanha “Vista este Lenço”, uma ação de conscientização e prevenção do câncer de mama para os funcionários”, ressalta Dayse Papassoni.
Outras penitenciárias também participam (Foto: Arquivo Pessoal)Outras penitenciárias também participam da
campanha para Olga (Foto: Arquivo Pessoal)
Ainda conforme a diretora, a ação ultrapassou os portões e também chegou às celas das 1,4 mil reeducandas. “Apesar de elas terem perdido o contato com a Olga, elas perceberam que todas nós estávamos com o lenço na cabeça e perguntaram o porquê. Quando dissemos elas perguntaram como se fazia o autoexame. Por isso a mensagem é tão importante”, comenta Dayse.
Além da recepção em Pirajuí, a campanha também contou com o apoio da Secretaria Penitenciária do Estado de São Paulo (SAP), que divulgou nota de apoio à ação da unidade prisional do interior. Segundo Olga, depois da divulgação do órgão, penitenciárias femininas de todo o Brasil passaram e tirar fotos com o lenço e enviaram pelas redes sociais. “Já recebi fotos de funcionários homens e mulheres que trabalham nas prisões de Riolândia, Ribeirão Preto, Reginópolis, Balbinos, Avanhandava, São José do Rio Preto, Tremembé e também em outras unidades da polícia”, comenta Olga.
Funcionárias trabalharam com lenço na cabeça (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Funcionárias de centro de saúde trabalharam com
lenço na cabeça (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
Um nó na cidade
Nas sextas-feiras, quem visitar Pirajuí, município do Centro-Oeste Paulista com pouco mais de 20 mil habitantes, poderá se confundir com uma cidade islâmica. Isto porque as mulheres, homens e até crianças resolveram adotar o lenço na cabeça como forma de se solidarizar com a doença de Olga que está em tratamento do câncer desde março.
Na última sexta-feira (31), cerca de 35 funcionárias da unidade de saúde onde Olga pega seus remédios em Pirajuí deixaram seus uniformes brancos mais coloridos. Recepcionistas, enfermeiras e até o recém-chegado médico cubano cobriram a cabeça. Além deles, servidores da prefeitura e trabalhadores do comércio também se juntaram à corrente.
“A cada dez minutos, uma mulher descobre que tem câncer de mama no Brasil. Este é o segundo tipo de câncer que mais mata no mundo. E o lenço na cabeça não é só uma forma de apoiar Olga no tratamento, é também um alerta para o autoexame e o diagnóstico precoce para pelo menos 200 mulheres que passam pela unidade de saúde todos os dias”, explica a enfermeira Mariana Virgílio.
Segundo Olga, a ideia é que o lenço não seja apenas um adorno para cobrir a cabeça, e sim um símbolo de conscientização. “O lenço é um acessório que passa uma mensagem. Para isso, pedi para várias penitenciárias e postos de saúde coloquem caixas de coleta. Os lenços doados serão enviados para o Hospital Amaral Carvalho, em Jaú, para pessoas que, como eu, precisam de um “up” na autoestima”, finaliza a agente.
Lenços serão doados (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Campanha irá recolher lenços e doar para Hospital Amaral Carvalho (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
Olga (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)Lenço na cabeça virou forma de solidariedade e conscientização (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário



Seu comentário é bem vindo, porém não será postado caso o moderador entenda que existam ofensas ou que não se aplique ao assunto da postagem.
Identificando-se, sua crítica, favorável ou contrária, terá mais credibilidade e respeitabilidade junto aos leitores.

Comente a postagem, para perguntas ou bate papo com o autor do BLOG,
jenisdeandrade@yahoo.com.br,
Jenis de Andrade no Facebook.