segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Estopim de crise, salário de policial sobe abaixo da inflação em 8 Estados, segundo a Folha SP.

É óbvio que a matéria da Folha acaba defendendo os governantes e coloca uma comparação entre 2012 e 2017 dizendo apenas que os policiais tiveram reajustes abaixo da inflação, mas lembramos que se a conta for feita entre 2014 e 2017 no estado de SP, vejamos que houve uma desvalorização salarial muito mais alta, a mesma desvalorização que tivemos sem reajuste nesse período, os policiais militares e civis também tiveram essa desvalorização, pois não tiveram reajuste também, veja abaixo a matéria da Folha e a comparação dos salários no país.







Estopim de crise, salário de policial sobe abaixo da inflação em 8 Estados
LUIZA FRANCO
DO RIO
ESTELITA HASS CARAZZAI
DE CURITIBA
MARCELO TOLEDO
DE RIBEIRÃO PRETO
CAROLINA LINHARES
DA ENVIADA ESPECIAL A VITÓRIA (ES)

12/02/2017 02h00

O cenário de perdas salariais, estopim do motim de policiais militares no Espírito Santo, é comum a outros Estados do país.

Levantamento da Folha em 19 unidades da federação mostra que o salário inicial da categoria aumentou nos últimos cinco anos, mas ficou abaixo da inflação em pelo menos oito delas, incluindo o Espírito Santo.

REMUNERAÇÃO PELO PAÍS
Dos 19 Estados que responderam, 8 deram reajuste abaixo da inflação a PMs

Variação entre 2012 e 2017 (em %)


BA
166
RS
93
MT
68
RR
63
MA
63
MG
61
PI
57
DF
55
PA
47
AP
44
AL
41
PE
30
PR
30
RO
29
RJ
27
SP
21
ES
20
SC
19
CE
8
BA
34% inflação do período (IPCA)



Mesmo onde houve um reajuste expressivo, a insatisfação dos policiais é latente, motivada pela falta de estrutura, discrepância de ganhos entre altas e baixas patentes e aumento de horas-extras.

"No geral, o salário é só a ponta do iceberg", diz Arthur Trindade Costa, professor da UnB (Universidade de Brasília) e membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Uma das principais queixas são as diferenças salariais dentro da corporação: os oficiais chegam a ganhar até cinco vezes mais que os praças, que atuam no policiamento ostensivo. "O militarismo é um sistema bom para deixar muitos ganhando pouco e poucos ganhando muito", diz Rafael Alcadipani, professor da FGV-SP.


2.637
4.122
DF
3.806
SC
2.520
RR
3.225
PR
2.151
MT
2.527
MA
2.515
MG
3.109
RO
2.498
AP
1.375
RS
2.446
AL
2.253
PA
2.461
PE
2.638
CE
1.926
PI
2.530
ES
2.365
SP
2.284
RJ
2.637
BA




2.637
6.459
DF
4.581
SC
4.232
RR
4.180
PR
4.161
MT
4.115
MA
4.098
MG
4.038
RO
3.680
AP
3.654
RS
3.522
AL
3.486
PA
3.466
PE
3.134
CE
3.100
PI
3.052
ES
2.992
SP
2.935
RJ
2.843
BA



Em tempos de crise econômica, a distorção fica ainda mais evidente, e se soma ao eventual sucateamento dos quarteis em alguns locais, à falta de equipamentos e à perda do poder de compra.

"Não é só um problema salarial; é estrutural", diz Orélio Fontana Neto, da Associação de Praças do Paraná.

No Rio, onde na última sexta-feira (10) houve protestos de mulheres de PMs em ao menos 27 dos 39 batalhões no Estado, o presidente da Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares, Vandrei Ribeiro, afirma que o policial fluminense "trabalha revoltado".

A remuneração de um soldado em início de carreira é de R$ 2.935 –29% a mais que o valor de cinco anos atrás, mas abaixo da inflação no período, de 34%.

Além do salário, que considera baixo, Ribeiro aponta como os principais problemas da categoria a indefinição sobre a jornada de trabalho, que fica a cargo da chefia e não é definida em lei, a falta de acompanhamento psicológico e equipamentos em más condições: coletes que não são fiscalizados, viaturas que enguiçam, armas que falham na hora de usar.

No Espírito Santo, falta copo e papel higiênico nos quarteis, segundo relataram soldados do 1º Batalhão de Vitória à Folha. Um deles, soldado há oito anos, se vira com três cartões de crédito e 25 horas seguidas de trabalho –como policial e como segurança particular.

Outro cancelou o plano de saúde e tirou o filho de quatro anos da escola particular. "Se você encostar no armário da companhia, morre de tétano", disse, sob a condição de não revelar o nome, para evitar punições.

Polícia do Espirito Santo volta às ruas

Joel Silva/Folhapress















AnteriorPróxima
COBERTOR CURTO

Boa parte dos Estados deu aumentos significativos às PMs nos últimos dez anos, quando unificou as gratificações em subsídios e instituiu reajustes escalonados.

No Rio Grande do Sul, o vencimento inicial de um soldado quase triplicou desde 2012. Em crise, o governo de José Ivo Sartori (PMDB) tem atrasado salários e diz que o aumento bilionário dado pelo antecessor, Tarso Genro (PT), ajudou a comprometer as finanças estaduais.

No outro extremo do país, no Rio Grande do Norte, a ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP) fez o mesmo, com reajuste para três anos consecutivos. O governo cumpriu a lei, mas pena para pagar em dia os salários dos servidores.

Os Estados resistem a novos reajustes. Afirmam que estão aumentando o efetivo e não têm dinheiro para tudo.

"A situação é apertada? É, sim, para todos os brasileiros", diz o secretário de Planejamento do Espírito Santo, Regis Mattos Teixeira, que classifica como "inaceitável" o reajuste reivindicado pelos policiais militares do Estado. "Quem paga o salário do policial não é o governo; é o cidadão. O dinheiro sai de algum lugar."

Para Costa, do Fórum Brasileiro de Segurança, há outras maneiras, além de aumentar o piso, para melhorar a condição de trabalho dos policiais -como, por exemplo, alterar o plano de carreira, prover equipamentos e viabilizar planos de saúde. Mas a falta de dinheiro é um problema real, afirma.

"As polícias são normalmente a primeira ou segunda folha de pagamento dos Estados. Qualquer 2% ou 3% pesa", diz ele, que já esteve à frente da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal.


Veja quando foi o nosso último reajuste: 



8 comentários:

  1. O estado mais rico pagando o 3 pior salário é isso msm?

    ResponderExcluir
  2. A grande verdade eles estão no poder para sugar até a última gota de sangue dos funcionários públicos e da população, nós estamos bancado alto salários carros auxilio moradia e outros benefícios de políticos, desembargadores, promotores e diretores de multinacional eles fizeram jogos pan-americanos, olimpíadas e copa do mundo o que não deu emprego nem lucro para o país e sim prejuízo tudo para ser primeiro mundo e tentar cadeira cativa na ONU, nada funciona direito nesse país, não tem luz no fim do túnel, eles só querem roubar e roubar pior que o PCC, a única solução é regime militar, ficou bem claro que se aqui em SP nós fazermos greve parar tudo, não vai ter aumento digo isso tirando com exemplo SC, não espere nada dos politico desse país, pois eles é que são o seu pior inimigo e bandidos existente nesse mundo pior do que qualquer facção existente no mundo, pense bem se o regime militar é pior coisa do mundo obrigado.

    ResponderExcluir
  3. não se preocupem o sindicato vai resolver.

    ResponderExcluir
  4. Ontem no conexão repórter pude ter uma noção ampla do que o lixo do governador esta fazendo com o funcionalismo público la.
    Essa cambada de ladrão rouba os estados sem limites, depois querem tirar do bolso e da mesa dos policiais, me senti na pele dos pms daquele lugar ,todos chorando vendo suas famílias passando aquela vergonha e humilhação na frente dos portoes.
    Enquanto deveriam estes familiares estarem se orgulhando de seus entes policiais ,como a tempos atrás era.
    Acredito q aqueles policiais vão vencer essa luta ,e torso p isso ,pq aq no estado de sp nao esta longe de acontecer uma revolta dessa tbm.
    Aquele governador tem a cara de pau de falar em bilhões q serão gastos se ouver o reajuste mas nao fala dos anos sem reajuste onde todos os impostos subirão e claro q a arrecadação do estado tbm.
    Guerra Civil a vista!
    Há ,sou asp e ja me desfiliei ,facão o msm!

    ResponderExcluir
  5. é vergonhoso sao paulo, maior economia do país, com um salário que só paga aluguel em comunidade! Sofre risco de morte tanto no trabalho, quanto em casa. lamentável...

    ResponderExcluir
  6. isso é uma pouca vergonha, o estado mais rico da federação, pagando os piores salários, do pais. Aqui em são Paulo deveríamos receber um salário equivalente a brasilia ou policia federal, isso que da não ser valorizado, segurando 80% da populçao carcerária do brasil.

    ResponderExcluir
  7. O problema maior que observo desde que entrei no estado ;há 19 anos;é que existe muitos tamanduas bandeira,abraça tudo!GIR, MOTORISTA,ADMINISTRATIVO, PULISsa (é com se cedrilha) aí para o estado ficá cômodo não paga não contrata e acha que o funcionário está super hiper contente pois tira do bolso para comprar equipamentos, temos que fazer cada um o seu , aí o governo vai dar valor!!!pensem nisso!

    ResponderExcluir



Seu comentário é bem vindo, porém não será postado caso o moderador entenda que existam ofensas ou que não se aplique ao assunto da postagem.

Identificando-se, sua crítica, favorável ou contrária, terá mais credibilidade e respeitabilidade junto aos leitores.

Comente a postagem, para perguntas ou bate papo com o autor do BLOG,
jenisdeandrade@yahoo.com.br,
Jenis de Andrade no Facebook.