quinta-feira, 1 de junho de 2017

Temer vai criar um novo imposto sindical


Algumas centrais sindicais estão revoltadas com o projeto da reforma trabalhista, mas tenho certeza que voltando o famigerado imposto sindical, elas mudarão de lado e passarão a apoiar a reforma trabalhista.

Fonte: Veja
Temer vai criar um novo imposto sindical
Em reunião com as centrais sindicais, presidente se comprometeu a soltar uma MP logo após a reforma trabalhista

Por Da Redação access_time 31 maio 2017, 18h01 more_horiz
O presidente Michel Temer (PMDB)

O presidente Michel Temer (PMDB) participa do Fórum Brasil de Investimentos 2017, em São Paulo - 30/05/2017 (Nelson Almeida/AFP)
Em reunião no Planalto, o presidente Michel Temer chegou a um acordo com as centrais sindicais. No encontro ficou acertado que o imposto sindical atual deixa de existir com a reforma trabalhista, mas que o governo se compromete a soltar uma MP criando um novo imposto sindical, de livre negociação, uma semana após a medida.





Hoje o trabalhador é obrigado a contribuir com um dia de trabalho por ano ao sindicato de sua categoria. Em alguns casos, portanto, essa contribuição pode aumentar.

Do ponto de vista político, essa é uma importante vitória para Temer porque ele deixa de ter nas ruas contra ele uma categoria com significativo poder de mobilização. Do ponto de vista dos sindicatos, foi uma maravilha. Do ponto de vista do trabalhador comum, um desastre.

9 comentários:

  1. Difícil é mensurar qual lado é mais corrupto...nem tem escolha o trabalhador só vai se ferrar...os homens Brasileiros perderam a honra ...se Vendem assim que tomam o poder.

    ResponderExcluir
  2. É vamos sustentar mais vagabundos, nós só servimos para votar e pagar imposto nesse país, não tem terrorista, tornado, terremoto e neve mas existe uma corja de bandidos que não acaba, desde o brasil colonia para falar a verdade esse país está ainda sendo colonizado e furtado, lembra quando indio trocava ouro por um espelho o que mudou vendemos a vale do rio doce a preço de banana, telecomunicações está a venda e com multas de 20 bilhões e os pilantra quer anistiar essas multas e dar um patrimônio de 100 milhões para a operadora vivo, querem privatizar a Petrobras a preço de banana e no futuro vender a amazônia também a preço de banana, resumo não vai mudar nada, será que o regime militar é tão ruim assim qualquer coisa é melhor do que esse sistema que está ai, 2018 nas eleições vão ser os mesmo pilantras, quando é que os brasileiros vão fazer protesto de verdade e no dia da eleição ninguém comparecer para votar em bandidos, falta inteligencia ou é comodismo.

    ResponderExcluir
  3. Um novo imposto de livre negociação entre sindicado e empregados, ou seja, contribuirá quem quiser.
    É assim que queremos e não entendi a porque será um desastre para o trabalhador, uma vez que a contribuição será facultativa.

    ResponderExcluir
  4. AH! MAS SÓ FALTA ESSA! TIRA UM E NOSSA FAZ ENGOLIR OUTRO IMPOSTO!FORA TEMER!

    ResponderExcluir
  5. Isso foi uma "jogadinha" de mestre. Tira o imposto obrigatorio e as Centrais Sindicais vão pra rua e fazem o maior alvoroço, inlusive nos usando em Brasilia. Agora, concederá um imposto facultativo e isso, com certeza já fara as Centrais Sindicais sairem das ruas e com isso, o governo já tera menos gente contra eles. Podem escrever, algumas classes poderão pagar mais do que pagam atualmente. EU NÃO SEREI MASSA DE MANOBRA DE NENHUM SINDICATO.

    ResponderExcluir
  6. Esse Drácula está se sentindo o próprio "Satanás" no domínio do País.

    ResponderExcluir
  7. Os brasileiros têm q cruzar os braços e só voltar trabalhar, quando esse ladrão, chefe da quadrilha, Temer saí do poder.

    ResponderExcluir
  8. Ué, agora a VEJA parou de mentir, tente separar seu lado funcional do seu lado politico, pare de passar vergonha.

    ResponderExcluir
  9. E todo este "oba,oba¨ para garantir que centrais sindicais (que deveriam defender interesses dos profissionais que as mantem financeiramente),deem apoio para a ¨reforma da PREVIDÊNCIA, que na verdade é uma destruição de todos os DIREITOS e GARANTIAS SOCIAIS que foram conquistadas com muita luta e com o passar do tempo.
    Por um lado o Governo diz: que sem a REFORMA(?) a Previdência quebra. Por outro lado a ANFIP (Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil) afirma ao contrario, demonstrando através de sua publicação denominada: ANALISE DA SEGURIDADE SOCIAL 2015, que esta disponível em seu site: anfip.org.br. Nela demonstra que os principais fatores que realmente merecem atenção é a sonegação e a DRU (Desvinculação de Receita da UNIÃO) que nada mais é que o perdão de dividas c/a PREVIDÊNCIA e subsídios as empresas que aumentou seu percentual de 20% para 30%.Alem da PEC 241/2016 que limita as despesas orçamentarias aos valores pagos no ano anterior corrigidos pela inflação durante 20 anos, que achatara ainda mais as aposentadorias e pensões, no momento que o trabalhador ou sua esposa ou esposo esta fragilizado .
    E agora aonde esta a verdade?
    (a)Roberto

    ResponderExcluir



Seu comentário é bem vindo, porém não será postado caso o moderador entenda que existam ofensas ou que não se aplique ao assunto da postagem.
Identificando-se, sua crítica, favorável ou contrária, terá mais credibilidade e respeitabilidade junto aos leitores.

Comente a postagem, para perguntas ou bate papo com o autor do BLOG,
jenisdeandrade@yahoo.com.br,
Jenis de Andrade no Facebook.