quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Polícia recorre à Justiça para fazer revista íntima em visitantes de presídios.

Se existisse SCANNER CORPORAL nas unidades prisionais paulista, diminuiria o problema, pelo menos seria constatado na própria unidade, além de inibir os(as) visitantes tentarem entrar com droga introduzida no corpo.

Comentário do autor do BLOG.

 

 Notícia do jornal O Vale.

Fonte: http://www.ovale.com.br/nossa-regi-o/policia-recorre-a-justica-para-fazer-revista-intima-1.333739

Polícia recorre à Justiça para fazer revista íntima

Transferência de presos da P-1 de Tremembé. Foto: Rogério MarquesTransferência de presos da P-1 de Tremembé. Foto: Rogério Marques
Determinação contraria ética médica e gera polêmica; Ministério Público defende Constituição
Michelle MendesTaubaté
A Polícia Civil de Tremembé passou a recorrer à Justiça para garantir que exames ginecológicos sejam feitos nas ‘mulas do tráfico’, mulheres que tentam entrar nas penitenciárias da região carregando drogas.
A medida foi necessária após orientação do PCC (Primeiro Comando da Capital) para que as mulheres se recusem a fazer o exame. Sem a produção de provas, elas não podem ser presas.
“Há uma determinação judicial a ser cumprida e, por outro lado, médicos estão se recusando a fazer os exames, pois acreditam que violam a conduta médica. Essa (medida judicial) foi a única saída que encontrei”, disse Renato Salerno, delegado de Tremembé.
A primeira determinação judicial obrigando a realização do exame foi expedida pela Justiça de Tremembé no último sábado, após uma mulher ser flagrada tentando entrar com drogas durante o período de visitas na P-1 (Penitenciária Tarcizo Leonce Pinheiro Cintra).

Demora. Segundo o delegado, ocorrências com mulheres tentando transportar drogas nas partes íntimas estão levando cerca de seis horas para serem registradas.[TXT]
Salerno também disse que vai solicitar à Corevali (Coordenadoria dos Presídios da Região do Vale do Paraíba e do Litoral), que as unidades tenham setor médico ou enfermaria para agilizar o exame médico.

Judiciário. Na semana passada, a juíza Sueli Zeraik de Oliveira Armani, da 1ª Vara das Execuções Criminais e Corregedoria dos Presídios de Taubaté determinou a abertura de um procedimento administrativo para apurar o envolvimento do PCC no controle do acesso a mulheres de detentos com drogas nas unidades após denúncias de que, “mesmo sendo constatado o fato através de raio-x, essas mulheres, orientadas previamente por integrantes de facção criminosa que atua nos presídios e com a assistência de advogados, negam-se a retirar ou permitir que se retire o objeto do ilícito, gerando grande instabilidade nas unidades e inconformismo entre os funcionários”.
O VALE apurou que membros da facção apresentam denúncias aos agentes penitenciários pois não têm interesse que determinados presos tenham acesso às drogas e quitem suas dívidas. As denúncias também servem para que os agentes se atentem em apenas um caso, deixando outras mulheres com maior quantidade de droga passar.
Este assunto é discutido desde o ano passado entre Ministério Público, Justiça e Corregedoria.


Entenda o caso
RevistaAs mulheres que fazem visitas aos presos são submetidas a uma revista para identificar se estão transportando drogas nas partes íntimas

Raio-XCaso seja levantada alguma suspeita, ela é submetida ao aparelho raio-x

ConstataçãoMesmo com a identificação de um corpo estranho, não há prova material para a Polícia Civil prender a mulher em flagrante e, por isso, necessário o exame clínico, para a retirada do material

EstratégiaOrientadas por advogados do PCC (Primeiro Comando da Capital), mulheres negam a fazer exames baseadas no direito constitucional de que não são obrigadas a produzirem provas contra si mesmas

DecisãoApós determinação judicial que obriga o exame e recusa dos médicos, o delegado de Tremembé passou a pedir autorização judicial para cada mulher suspeita


Médicos e promotores são contrários à obrigatoriedade
Taubaté
A determinação judicial para a realização de exames nas mulheres que supostamente estariam transportando drogas provoca polêmica.
“O exercício de medicina exige que se cumpra um código de ética, com leis e regras. Levar paciente para hospital e ter que fazer exame íntimo para mostrar a um policial é um caso muito delicado”, disse André Luís Santos, delegado do Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo), na região.
O Ministério Público de Taubaté informou que tem conhecimento do procedimento que discute a abordagem com relação ao ingresso de mulheres portando drogas nas partes íntimas, a coleta e produção de provas. “É um assunto que está sendo discutido desde o ano passado e que exige muito cuidado. Meu questionamento é sobre a produção de provas em relação as drogas e a intimidade, dignidade e integração física de cada pessoa”, disse. “Enquanto não se prove o contrário, continuo achando que a Constituição é suprema.”

7 comentários:

  1. A soluçâo é simples,se o(a) asp desconfiar ou perceber algo suspeito ou se o(a)visitante se recusar a fazer o exame,barre-os e suspenda-os,pois se não temos outros recursos,pelo menos essas merdas não entram.
    Papel neles!, façam um comunicado de evento bem feito!.

    ResponderExcluir
  2. Se continuar dessa maneira, logo as mulas vão poder transitar livremente pelos aeroportos do país!

    ResponderExcluir
  3. Concordo com você anonimo, já que o Ministério Público informou que tem conhecimento, mas que esta sendo discutido desde o ano passado e até agora não tomaram providencias, vamos fazer nossa parte excluir definitivamente essas "mulas" do PCC...

    ResponderExcluir
  4. vocês tem conhecimento que muitos Vovôs também trazem droga no ânus também??? Um preso do CDP de PG me disse isso uma vez. Faziam isso por um salário mínimo a cada visita.

    ResponderExcluir
  5. concordo com voce , mas suspender somente no dia não basta tem que suspender no minimo por um ano .

    ResponderExcluir
  6. suspender por uma ano, ou só no dia é complicado, pois trampa na carceragem já é difícil, imagina ouvindo perreco de ladrão por causa de visita filha da puta q não pode descer a cadeia por "suspeita" de droga véia na piriquita!!!!!!!!!! o certo é passar obrigatóriamente pelo raio x mesmo, e sendo comprovado algum objeto estranho,cadeia.

    ResponderExcluir
  7. MEUS IRMÃOS,O CERTO É O ESTADO NOS FORNECER MEIOS EFICIENTES DE TRABALHO E QUE DE RESULTADO,ESSA É A OBRIGAÇÃO DO ESTADO,MINISTÉRIO PÚBLICO E A QUEM MAIS TIVER PODER PARA TAL.A NÓS CABE FAZERMOS UM TRABALHO SÉRIO APESAR DE NÃO SERMOS RECONHECIDOS POR NINGUEM,MAS PELO MENOS SE UM DIA FORMOS PARAR NA FRENTE DO CAPA PRETA,PODEROMOS AFIRMAR COM CONVICÇÃO QUE NOSSA PARTE FOI FEITA!! UM ABRAÇO E FIQUEM COM DEUS!!

    ResponderExcluir



Seu comentário é bem vindo, porém não será postado caso o moderador entenda que existam ofensas ou que não se aplique ao assunto da postagem.
Identificando-se, sua crítica, favorável ou contrária, terá mais credibilidade e respeitabilidade junto aos leitores.

Comente a postagem, para perguntas ou bate papo com o autor do BLOG,
jenisdeandrade@yahoo.com.br,
Jenis de Andrade no Facebook.