segunda-feira, 29 de maio de 2017

Mulher é flagrada tentando entrar em presídio com porção de maconha dentro do corpo em SP

Fonte: G1

Mulher é flagrada tentando entrar em presídio com porção de maconha dentro do corpo em SP
Mulher de 26 anos estava cadastrada como companheira de um dos detentos. Caso ocorreu em Mongaguá, no litoral paulista.
Por G1 Santos
29/05/2017 15h49 Atualizado há 2 horas

Maconha estava dentro de um preservativo (Foto: Divulgação/SAP)




Uma mulher foi flagrada tentando entrar com drogas no Centro de Progressão Penitenciária (CPP) de Mongaguá, no litoral de São Paulo, no último domingo (28). As substâncias estavam dentro de um preservativo, escondidas nas partes íntimas da mulher, que admitiu o crime durante o procedimento de revista.

De acordo com informações da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) de São Paulo, o caso ocorreu por volta das 10h30. Durante o procedimento usual de revista antes das visitas, as autoridades perceberam um comportamento suspeito por parte da mulher de 26 anos, cadastrada como companheira de um dos detentos.

As agentes penitenciárias, então, questionaram a visitante, que acabou confessando a existência de um invólucro dentro de seu corpo. Após a confirmação, a mulher retirou o embrulho, em uma sala reservada, e o entregou às agentes. O preservativo continha 81 gramas de maconha.

A mulher foi encaminhada para a delegacia e teve o nome suspenso do rol de visitas da Secretaria da Administração Penitenciária. A diretoria do CPP de Mongaguá registrou um boletim de ocorrência, comunicou o ocorrido à Vara de Execuções Criminais e instaurou Procedimento Disciplinar Apuratório.

7 comentários:

  1. Fico observando que o pessoal leva na delegacia e fazem boletim e levam o caso para frente ,na fundação vejo os pais entrarem com drogas e o máximo que o coodenador faz é guardar a droga e não devolver ,a pessoa que entrou vai embora normalmente e depois volta fazer visitas como se nada tivesse acontecido ,já aconteceu de devolver a droga para não ter problemas com os vagabundos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Anônimo segunda-feira, maio 29, 2017 7:50:00 PM" Se isso ocorre, apreender droga e não encaminhar o caso à delegacia, é crime de prevaricação. Se deixar "guardada" a droga na Fundação, é crime de tráfico qualificado. Se "devolve" a droga, é crime de tráfico e associação para o tráfico. Denuncie esses casos ao Ministério Público. O procedimento correto é, havendo apreensão de droga com os visitantes, o agente socioeducativo dará VOZ DE PRISÃO POR FLAGRANTE DELITO DE TRÁFICO DE DROGAS QUALIFICADO ao visitante. Via telefone o agente chamará imediatamente a Polícia Militar, pois uma vez avisada do crime, a PM tem o DEVER de comparecer ao local, sendo ilegal qualquer deiretor/coordenador se opor ao trabalho da PM. Depois de avisada a PM, via telefone, avisar também imediatamente a Polícia Civil local, tomando algumas instruções peculiares de cada delegacia (se o delegado desejará ouvir o menor, para ele também já ser levado na Delegacia, etc. Até a chegada da PM os visitantes detidos devem permanecer sob vigilância em salas separadas se possível, evite uso de algemas, pois poderá ser causa de anulação do flagrante e dores de cabeça futuras. Chegada a Polícia Militar, os Policiais conduzirão os visitantes à Delpol local, frente ao Delegado de Polícia, que juntamente com o Escrivão Policial, lavrarão o Boletim de Ocorrência Policial e o auto de apreensão do entorpecente. Ouvirá os Policiais Militares condutores bem como os agentes socioeducativos que deram o flagrante. Ouvirá depois os presos e deliberará, sim ou não, pela RATIFICAÇÃO da prisão em flagrante executada pelos agentes. O menor poderá ser conduzido à Delpol para ser ouvido, caso o Delegado queira. (OBS: a droga apreendida fica na Delpol, por isso, cuidado, mexa nela somente o suficiente para que TODOS os agentes que efetuaram a prisão e que serão testemunhas no possível processo criminal que se instaurará, tenham certeza de que se trata de droga, importante que os agentes afirmem que se trata de droga, segundo o conhecimento que têm sobre droga, pois se alguém ficar em "cima do muro", gaguejar, não se justifica a prisão em flagrante). Verificado que se trata mesmo de drogas segundo o conhecimento de cada um dos agentes que servirão de testemunhas, especialmente daqueles que efetuaram o flagrante e deram a voz de prisão, acondicione a droga apreendida em saco plástico transparente e guarde-a em local muito seguro, se possível fique com ela até a chegada da polícia, pois a droga apreendida é a prova material do crime (evitando assim futuras alegações de que foi apreendido açúcar, mas que o agente tirou a droga da "gaveta" kkkk). O agente, ou agentes, que efetuam o flagrante serão as principais testemunhas do crime praticado pelo visitante, sendo também eles os únicos responsáveis pela droga apreendida, devendo a droga apreendida ser entregue somente à autoridade policial e mediante recibo (auto de apreensão de droga). Pode ser que haja na Fundação Casa o protocolo de algum procedimento interno sobre o assunto... verifique.. Porém, para caracterizar FLAGRANTE, o procedimento é o que descrevi acima, qualquer que seja a instituição pública... Os detidos têm que obrigatoriamente ser conduzidos ao Delegado de Polícia Civil imediatamente, juntamente com a droga apreendida, bem como as testemunhas. Esse procedimento INDEPENDE da vontade de qualquer diretor/coordenador/secretário/governador que seja, pois é o descrito na Lei de Drogas, Código de Processo Penal, bem como Constituição Federal... e se tentarem se opor, ou se intrometerem para atrapalhar o flagrante, cometem crime.

      Excluir
  2. Anomino segunda-feria, maio 29, 2017 7:50:00 PM
    Lamentavel esta situação ne ? A que ponto chegou este país, pior que os seus clientes irão ser os nossos no futuro, sem uma punição adequada.

    ResponderExcluir
  3. O que acontece sempre e que vc fica com 15 vagabundos dentro do módulo e vc sozinho tomando conta ,colocando filmes pra eles assistirem e levando comida ,o funcionário tem medo de criar problemas ,pois no outro dia ele vai estar lá no módulo sozinho ,então procuram se envolver o mínimo possível com esses problemas ,no final vc acaba sozinho numa situação dessa ,ninguém se envolve, o que o diretor procura fazer é sempre abafar uma situação dessa ,pra falar a verdade quem acha estranho é quem entrou a pouco tempo ,mas quem já está bastante tempo ,esse é um caso rotineiro .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na Penitenciária o ASP faz revista na cela, e se encontra droga, arrasta o preso pro castigo imediatamente; se a visita é flagrada com droga é feito o procedimento da forma como o "Anônimo segunda-feira, maio 29, 2017 9:09:00 PM" bem descreveu. E se a visita veio com criança, ainda chama o Conselho Tutelar para ir na Delegacia para ficar com a criança até a vinda de parentes pois a visita vai para o xilindró mesmo... tem diretor que ajuda na prisão, tem diretor que não ajuda, mas nenhum diretor atrapalha pois sabem que é b.o. para eles se atrapalharem. E no dia seguinte... o ASP tá lá de novo, no meio de 220 a 300 presos por pavilhão, abrindo as celas manuais com mais de 45 presos cada, com sentimento de dever cumprido...

      Excluir
    2. É simples resolver isso. A revista nas visitas tem que ser feita na Portaria. Se encontrar droga, a visita vai presa, e o moleque vai transferido para outra unidade da Febem e já era.

      Excluir
  4. O dia que acabarem com essa gozolândia que é a visita íntima o sistema melhora 100%.Até lá, é essa palhaçada.

    ResponderExcluir



Seu comentário é bem vindo, porém não será postado caso o moderador entenda que existam ofensas ou que não se aplique ao assunto da postagem.

Identificando-se, sua crítica, favorável ou contrária, terá mais credibilidade e respeitabilidade junto aos leitores.

Comente a postagem, para perguntas ou bate papo com o autor do BLOG,
jenisdeandrade@yahoo.com.br,
Jenis de Andrade no Facebook.